Quinta-feira, 21 de Janeiro de 2010

A HISTÓRIA DE SAMUEL FELIPE MAGAIA, PRIMEIRO COMANDANTE DA GUERRILHA DA FRELIMO, E DE LOURENÇO MATOLA, SEU ASSASSINO

 

Armando Emílio Guebuza

 
Antes que diga algo de importância sobre a história de Samuel Filipe Magaia, tenho que deplorar o facto de que um acto, como a investidura dum Presidente da República, acto augusto algures em países democráticos, tivesse sido aproveitado para insultar Uria Simango, primeiro vice-presidente da Frelimo, que foi morto pela própria Frelimo. Este acontecimento demonstrou dois aspectos deploráveis: o baixo nível das pessoas envolvidas e o baixo nível da inteligência do próprio Armando Emílio Guebuza que admitiu que tal coisa acontecesse. Se Guebuza tivesse a capacidade como deve ser, teria desencorajado que tal uma coisa acontecesse, visto que é sinal de mau gosto e de diabolismo bater numa pessoa morta, que não se pode defender como os ingleses dizem: "dead people tell no stories." Por esta mesma lógica das pessoas mortas não poderem falar, nenhuma pessoa no seu uso de razão e com miolos que funcionam pode julgar num tribunal uma pessoa morta, perder o seu tempo insultando um morto ou alegrando-se sobre uma pessoa morta. Regressando ao assunto que interessa aqui, achei meu dever como uma pessoa de origem moçambicana agora em diáspora,   informar aos moçambicanos, que tem o direito de ouvir uma história que lhes foi sempre ocultada ou que a Frelimo do historiador super mentiroso, Sérgio Vieira, nunca contou.
 
Coronel Sérgio Vieira 
 
Esta é a história do Felipe Magaia, o primeiro comandante das operações da guerrilha da Frelimo. A razão do silêncio sobre ele deve-se ao facto que depois da sua morte traiçoeira, os dirigentes da Frelimo decidiram que não se falasse mais de Magaia. E ai de indivíduos que foram ouvidos falar do Magaia. Um, ou aliás o único, dos sobreviventes dum grupo de 10 guerrilheiros que foram ouvidos a falar do Magaia numa tenda no campo de treinos de Nachingwea, contou-me, com lágrimas nos olhos, como é que os seus nove colegas foram executados com facas nos pescoços, o primitivismo mais rudimentar da Frelimo. Um deles refutava a versão da Frelimo de que Magia tivesse sido abatido em combate com as tropas portuguesas. Pela tarde do mesmo dia, o grupo foi informado por Samora Machel que tinha uma missão especial a cumprir aquela tarde. Transportados em Land-Rovers para o Rovuma, foram feitos atravessar o rio de noite depois de serem amarrados com cordas. Na mata, a meros metros do Rovuma no lado de Moçambique, começou a chacina física. A historia é pois muito longa e limitei me aqui meramente em dar os poucos detalhes contados pelo excapulidor, um individuo do sul que não queria nada ouvir do Mondlane e os lideres da Frelimo. Regressando para traz, eu, o autor, tomei conhecimento da morte de Felipe Magaia em Outubro de 1966 do jornal português, "Noticias da Beira", cujas cópias recebíamos no Seminário de Zobue, Tete, tendo também recebido o jornal quando se chamava "O Diário de Moçambique." E eu lia todas as edições quando chegavam e muito poucos o faziam com a mesma religiosidade como eu. Uma das edições do jornal dizia, que "Felipe Magaia, comandante dos terroristas da Frelimo, foi abatido em Tanzânia num tiroteio entre grupos rivais dos terroristas." Viajando no Malawi para a Tanzânia em Dezembro de 1967, li num boletim da Frelimo, o seguinte e cito a frase,"o camarada Samuel Filipe Magaia tombou num encontro com as tropas portuguesas." Mais tarde um estudante de nome Valentim Elambire disse-me em Dar Es Salaam em 1968 que Magaia não tinha morrido em combate, mas sim tinha sido abatido por um guerrilheiro da Frelimo. O indivíduo falou mais do assunto, sublinhando que Magaia e Machel nunca se davam visto que Magaia considerava Machel como cobarde e medroso. Como aconteceu com o facto do dito Segundo Congresso ter sido dispersado por aviões militares portugueses de que toda a gente falava na Tanzânia dado que alguns dos guerrilheiros que lá estiveram revelaram o segredo, o caso da morte de Magaia era do conhecimento publico no seio dos moçambicanos na Tanzânia, embora um comunicado da Frelimo que o autor leu tivesse falado do tal congresso como tendo sido um grande sucesso pelas eleições que tiveram lugar e que confirmaram o Mondlane no seu cardo, Uria Simango no seu e todos os outros nos seus lugares e pelas resoluções tomadas. O que é historicamente verdade é que a Frelimo nunca diz a verdade quando esta não serve os seus interesses. Sim, Filipe Magaia foi abatido na madrugada do dia 16 de Outubro de 1966 no Niassa quando depois de ter atravessado um riacho com um grupo que comandava para atacar uma posição portuguesa. Magia erguia uma lâmpada na mão para permitir que os seus companheiros atravessassem o riacho quando tiros tilintaram. Por volta de três tiros. Os guerrilheiros aplacaram pensando que tivessem caído numa emboscada portuguesa. O atirador deitou a sua arma depois dos tiros que disparou. Vendo Magaia no chão, os seus colegas acorreram a ele e tentaram ajuda-lo e o homem começou a sangrar copiosamente, visto que uma das balas ou as balas o tinham atingido na barriga. Uma inspecção descobriu que todos tinham as suas armas, excepto Lourenço Matola. Depois de apanhada a arma cujo cano ainda estava quente, os guerrilheiros amarram o Matola e uma decisão de executá-lo no lugar foi tomada, mas uns sugeriram que o Matola devia ser entregue ao governo tanzaniano para que este averiguasse o caso. Depois de entregue o Matola aos Tanzanianos, morre Magaia em Songea onde foi enterrado e durante o enterro Mondlane nomeou Samora Machel para substituir Magaia em vez de nomear Casal Ribeiro que era o vice-comandante da guerrilha. Daí começou a sulisação da liderança da Frelimo. Machel atingiu dois objectivos com um único tiro: suceder Magaia e também tomar a Josina Mutemba, a namorada do Magaia como sua amante que veio a casar por força.
 
 
Samora Machel Josina Muthemba Machel
 
Nas mãos dos tanzanianos, Lourenço Matola é colocado na prisão subterrânea de máxima segurança de Mnazi Moja (significando um coqueiro em Suwahili, embora o lugar que o autor conhece esteja cheio de coqueiros). Os Tanzanianos mantiveram Matola na prisão por cinco anos sem julgamento e as investigações que eles fizeram sobre o caso Magaia nunca foram publicadas. Depois de 5 anos, o Matola é liberto e a Frelimo que lhe tinha prometido uma bolsa de estudos em Moscovo depois de matar Magaia não precisou mais dele, como sempre acontece com as pessoas que são utilizadas para cometer assassínios políticos ou a Frelimo já não precisava dele visto que a sua presença na Frelimo podia causar problemas a Samora Machel. Repentinamente, Matola aparece em Nairobi, Quénia, para se tornar refugiado da Frelimo como tantos outros moçambicanos, incluindo o autor, que se tinham refugiado para lá. Em Nairobi, Matola admitiu que matou Magaia a pedido de Eduardo Mondlane, Samora Machel, Joaquim Chissano e outros na Frelimo. Mas talvez por causa do crime ou em virtude das torturas na prisão tanzaniana, Matola já não regulava bem. Na prisão adquiriu uma careca artificial que se tornou permanente. Em 1989, o infeliz Matola morre em Nairobi depois de ser atropelado por um carro que não parou depois de atropela-lo. Assim morreu, enlouquecido, um dos ícones de traição e da criminalidade, abandonado e não amado por ninguém.
 
Francisco Nota Moisés
 
(Artigo publicado com a permissão de "Moçambique para Todos" Macua.blogs.com)
Ovar, 21 de Janeiro 2010
Álvaro Teixeira (GE)
 

Publicado por gruposespeciais às 13:03
LINK DO POST | COMENTAR O POST
16 COMENTÁRIOS:
De Norlito Luis Nhancume a 13 de Julho de 2014 às 20:18
Este blog ajuda,tudo escrito aqui sobre Filipe Magaia eh realidade....porah isso por causa da ambixao individual,(poder)querer liderar...coitado desse revolucionario e fundador do movimento,depois traido pelos amadores....


De suale ibraimo a 13 de Maio de 2016 às 18:33
samuel felipe magaia era onesto umilde se extivece ate agora moçambigue era traguilidade mas veja so hoje nos moçambicano tamos a fugir para malawi e justo?


De Adelino Zacarias Disse Zibok a 23 de Julho de 2017 às 04:46
Afinal Samora e os amigos foram traiçoeiros ,assim é muito difícil acreditar a Frelimo.Não sou tribalista de formas nehuma,mas aos poucos dou razão ao senhor Afonso da Renamo


Comentar post


ver perfil

. 2 seguidores

Subscreva a Newsletter do BLOG


Crear letrero en flash

Insira o endereço do seu Mail:

Delivered by FeedBurner



ARTIGOS RECENTES

ZECA CALIATE VOZ DA VERDA...

O SÉRGIO ´´SERIAL KILLER`...

A VERBORRÁICA DO REGIME D...

Biografia de Zeca Caliate...

Omar Ribeiro Thomaz fala ...

"EMBARRIGUECIMENTO DOS LI...

FRAUDES MACIÇAS NAS ELEIÇ...

Não deves nada à Frelimo,...

Metelela - Os crimes da F...

ESCLARECIMENTO

ARQUIVOS

Abril 2016

Março 2016

Outubro 2014

Agosto 2014

Maio 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Junho 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Junho 2012

Abril 2012

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

MAIS COMENTADOS

ÚLT. COMENTÁRIOS

Afinal Samora e os amigos foram traiçoeiros ,assim...
Caro amigo, se quiser partilhar a sua experiência,...
Sou um velho GE. Período 71/73.Comandei o GE 212 N...
Gostei de ouvir a messenge sobre os nossos heróis ...
EmFalta dizer que nesss fata te ofereceste para se...

tags

todas as tags

OUTROS BLOGS E MUITO MAIS




LinkLog


Siga-me no Twitter

Grupos Especiais - Moçambique

Divulga também a tua página