Sábado, 19 de Janeiro de 2013

Retrospectiva sobre a execução de Joana Simeão e outros

 

“Nós não estamos arrependidos”

Marcelino dos Santos

 

Emílio Manhique, apresentador do programa “No Singular” na TV pública moçambicana (TVM), entrevistou, em 2005, o antigo membro da Frente de Libertação de Moçambique e mais tarde ministro de Samora Machel, presidente da Assembleia Popular, e membro do Bureau Político (mais tarde Comissão Política Permanente) do Comité Central do partido Frelimo marxista leninista.

Dos arquivos do «Canal de Moçambique» extraímos parte dessa entrevista relativa aos fundadores e combatentes da Luta de Libertação Nacional que defendiam um regime como o que hoje vigora em Moçambique e com a alegação de que por isso eram anti-patrióticos e “reaccionários” foram sumariamente abatidos no fim da década de 70, princípio de 80, já depois de Moçambique ser membro das Nações Unidas, sem que tenham sido observados os mais elementares princípios do Direito consagrado em sociedades civilizadas.

 

Emílio Manhique : “Lazaro Nkavandame, Gwenjere, Joana Simeão foram mortos depois da independência, mas a Frelimo tinha dito que iam ser reeducados, que iam servir de exemplo. Porque é que foram mortos sem sequer nenhum julgamento?”

 

Marcelino dos Santos: “Naturalmente... primeiro porque consideramos que era justiça.”

 

 

Manhique: “Justiça popular?”

 

Marcelino dos Santos: “Altamente popular, exercida”...

 

Manhique:... “mas foi uma justiça de um movimento guerrilheiro, não de um partido”.

 

Marcelino dos Santos: “Justiça contra traidores porque qualquer um deles se aliou ao colonialismo português.”

 

Manhique: “Mas porque é que a Frelimo primeiro disse que iam servir de exemplo?”

 

Marcelino dos Santos: “Sim, e depois sobreveio a acção, a tentativa do inimigo de buscar elementos moçambicanos descontentes, em particular aqueles que pudessem ser-lhes bastante úteis. Então, aquela consciência que nós tínhamos inicialmente de que são traidores e que, portanto deveriam ser executados. Bom, numa certa medida podemos dizer que surgiram as condições que forçaram a implementação de uma preocupação e de um sentimento muito, muito, muito antigo porque é bom não esquecer que Lázaro Nkavandame...”.

 

Manhique: “E porque é que não se informou o povo?”

 

Marcelino dos Santos: “Porque aí é preciso ver o momento em que isso acontece e naturalmente embora nós sentíssemos a validade da justiça revolucionária, aquela construída, fecundada pela luta armada revolucionaria de libertação nacional, havia, no entanto, o facto de que já estávamos em Estado independente. Quer dizer, Moçambique se tinha ja constituído em Estado embora a Frelimo fosse realmente a força fundamental desse Estado. Então foi isso, talvez, que nos levou, sabendo precisamente ainda que muita gente não estava certamente apta a entender bem as coisas, que nós preferimos guardar no silêncio esta acção realizada. Mas que se diga bem claramente que nós não estamos arrependidos da acção realizada porque agimos utilizando a violência revolucionária contra os traidores e contra traidores do povo moçambicano”.

 

(TVM – 19.Set.2005 - Programa «No Singular»)

 

 (A Drª. Joana Simeão no Campo de Concentração de Metelela - Niassa. 2ª. da fila da frente)

 

N.E.: De referir que Emílio Manhique é locutor da Rádio Moçambique e sobrinho do moçambicano que deu o nome de Frente de Libertação de Moçambique ao movimento que viria a negociar o país com o regime implantado em Lisboa depois do golpe de Estado do 25 de Abril em Portugal. O tio do jornalista, estava com Marcelino dos Santos em Acra, no Ghana, quando este último criou a partir da inspiração de Fanuel  Malhuza o acrónimo Frelimo. Malhuza morreu o ano passado em Maputo sem merecer quaisquer honras se bem que foi o criador da designação que imortalizou o movimento pela Independência de Moçambique.

 

CANAL DE MOÇAMBIQUE - 17.05.2006

NOTA:

Na realidade, para quem confunda FRELIMO com POVO DE MOÇAMBIQUE não está mal explicado...

Fernando Gil

MACUA DE MOÇAMBIQUE

 

Será que estes bandidos irão morrer de consciência tranquila?

 

Álvaro Teixeira (GE)

 


Publicado por gruposespeciais às 18:50
LINK DO POST | COMENTAR O POST
3 COMENTÁRIOS:
De José Pires a 7 de Fevereiro de 2013 às 14:23
Custa acreditar que um alto(?) quadro da Frelimo, membro do Governo de Transição até 25/06/75, na época figura credível até no contexto internacional, seja provido de índices inapropriados de cultura cívica ou mental expressos no seu pensamento e palavras. Infeliz povo moçambicano a ser dirigido e governado por resquícios mentais porventura ainda à solta...


De Assamo a 1 de Julho de 2013 às 19:27
Estes nunca vao mudar, sempre serao ditadores.


De Walter da Silva a 18 de Janeiro de 2016 às 06:11
Saudações,

Pelo que deu para perceceber nesta "retrospectiva", é que o Bloguista condena a acção práticada durante esta epoca de dos finais dos anos 70 aos anos 80!
Muito bem, certo moralmente esta acção é condenavel olhando para os termos edificam uma sociedade dita moderna e civilizada globalmente, eu concordo plenamente.
Mas será que eticamente também é condenavel? Tendo em conta a situação e clima que se vivia entre jovens que abandonaram as suas familias para lutar por uma independência...jovens estes cuja a sua formação era maioritariamente militar.
E deixo aqui uma questão, sabendo que o pais esta independente a 2 anos e que ainda se vive um guerra fria, um regime de tenção, conspiração, uma epoca de descontentes, uma fase de oportunodades gananciosas e aliciadaoras, e tendo uma formação militarmilitar após uma guerra pela libertação e independência nacional... De que forma o Bloguista agiria, perante a situação de encontrar conspiradores e traidores a patria e aos ideiais que constituem a mesma, e pessoas com ideiais diferentes?


É certo chamar-lhes "bandidos"?


Não sou um "escovista" apenas um jovem que prefere analizar as coisas de todos os possiveis lados. E lembrar que o acto de tirar a vida a um ser semelhante é na minha optica idenpendentimente da moral e etica que implica esta acção é incorrecta!


Comentar post

Subscreva a Newsletter do BLOG


Crear letrero en flash

Insira o endereço do seu Mail:

Delivered by FeedBurner



ARTIGOS RECENTES

ZECA CALIATE VOZ DA VERDA...

O SÉRGIO ´´SERIAL KILLER`...

A VERBORRÁICA DO REGIME D...

Biografia de Zeca Caliate...

Omar Ribeiro Thomaz fala ...

"EMBARRIGUECIMENTO DOS LI...

FRAUDES MACIÇAS NAS ELEIÇ...

Não deves nada à Frelimo,...

Metelela - Os crimes da F...

ESCLARECIMENTO

ARQUIVOS

Abril 2016

Março 2016

Outubro 2014

Agosto 2014

Maio 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Junho 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Junho 2012

Abril 2012

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

MAIS COMENTADOS

ÚLT. COMENTÁRIOS

Heroi pra mim foi quem libertou povo mocambicano.v...
Triste, pouco sabemos da nossa historia
É verdade isso
O Povo,unido,Jamais será vencido. Parabéns caliate...

tags

todas as tags

OUTROS BLOGS E MUITO MAIS




LinkLog


Siga-me no Twitter

Grupos Especiais - Moçambique

Divulga também a tua página