Segunda-feira, 20 de Abril de 2009

OLIVENÇA - Niassa - Moçambique (1)

 

OLIVENÇA – Niassa – Moçambique (1)
 
 
 
Hoje, resolvi descrever um pouco da minha vida militar, durante a Guerra Colonial (Os meus primeiros 6 meses) passados em Olivença, na 3ª. CCaç. Do BCaç. 20 (Tigres Negros do Niassa)
Conforme já disse no post “Pequeno Resumo da minha vida Militar”, embarquei no Aeroporto do Figo Maduro, em 06/10/1972, com destino ao BCaç. 18, em Lourenço Marques. Ao meu lado viajava um furriel, que passou, quase toda a viagem, a contar-me histórias da Guerra e falou-me muito de um furriel enfermeiro seu amigo, Noronha, que estava em Olivença. Dizia-me que era um lugar terrível, no extremo norte do Niassa. Fui ouvindo, mas, como o meu destino era outro, não me sentia amedrontado.
No dia 7, fomos os dois apresentar-nos no BCaç. 16 (Beira), a fim de apresentarmos as nossas guias de marcha. Qual não foi o meu espanto ao receber guia de marcha, para embarcar no dia seguinte, com destino a Olivença. No dia 8 de Outubro, cheguei a Nampula e entregaram-me os documentos para ir para Vila Cabral, de comboio. A viagem foi agradável e era interessante a quantidade de gente que aparecia nas “estações”, onde o comboio parava. Era uma autêntica festa. Vi paisagens lindíssimas, o verde das plantas era, para mim desconhecido, bem como todos aqueles odores que entravam pela janela, nos intervalos do fumo das duas locomotivas. Após muitas horas de viagem, acabei por adormecer. Passamos pelo Catur, onde houve, segundo me disse o alferes GE Mascarenhas, que tinha havido um ataque ao comboio, mas, como dormia profundamente, não me apercebi de nada.
Após mais duas dezenas de horas de viagem, chegamos à estação de Vila Cabral. Muita gente na estação, muita confusão e alguns militares, que estavam estacionados nesta cidade e que tinham, como rotina, ir ver a chegada do comboio, para verem se encontravam alguém conhecido. Pego minha bagagem e, do meio daquela gente, ouvi pronunciar o meu nome. Achei estranho e, logo a seguir, aparece-me um vizinho e ex-colega da escola primária, o José Marques (falecido com 42 anos), que estava nos “serviços de escuta”. Foi de uma alegria enorme o reencontro de dois amigos de infância, num local tão distante da nossa terra.
Apresentei-me no BCaç. 20, onde encontrei outro amigo meu, o capitão miliciano Temudo. Após cumpridas as formalidades, instalei-me na Pensão Niassa, onde fiquei dois dias, à espera de transporte para Olivença.
A primeira noite, em Vila Cabral, foi de festa, com mais amigos de Ovar, no Restaurante Planalto, onde todos jantámos, com muitas “bazucas” de Laurentina, tendo eu imposto que a despesa era toda por minha conta. 
  
O dia seguinte foi, com a companhia do Zé Marques, destinado à visita à cidade e o almoço foi em casa do fotógrafo de Vila Cabral, já não lembro do seu nome, e que era natural de Ovar. Para mim, tudo era novo, tudo era diferente.
O jantar desse dia foi Restaurante Miralago, onde se comia muito bem, com o meu amigo do costume. Apresentou-me ao dono do restaurante e, qual não é o meu espanto, ao saber que a sua esposa era de Ovar. O jantar foi oferecido. O dono do Miralago acabou por vir para Portugal, na sequência do processo de “descolonização” e montou um restaurante, perto da minha casa, com o nome de “O Melro”, que, além da ementa habitual, era especializado em cozinha africana e a clientela era muita.
Ao terceiro dia, pela manhã, fui para o aeroporto, para apanhar o avião para Olivença. O aeroporto estava vazio e só via um pequeno Cessna na pista. Aparece-me, então, o famoso Subtil, que me pergunta se era eu que ia para Olivença, respondi-lhe que sim. Entrei no “avião”, com tudo muito apertadinho e levantamos voo. Primeira paragem, Unango. Saí um pouco do avião, talvez nem 10 minutos e logo me aparece outro amigo, o Justino, mais conhecido pelo “Macaco”.
A segunda paragem foi em Macaloge, mas aí, nem saí do avião, devido a má disposição, mas pelo que apercebi, era uma localidade bastante maior que Unango e havia mais militares, porque era sede de Batalhão.
Terceira paragem, Pauíla. Terrível, um aquartelamento perdido no meio da mata. Não havia população civil, só militares. Também, aí, encontrei outro amigo, o furriel Flores, actualmente arquitecto.
Depois de termos levantado voo de Pauíla, passado algum tempo, diz-me o Subtil: “Comece a olhar para o mato que vai pisar, porque estamos a chegar a Olivença.” A minha curiosidade aumentou e não era motivo para menos, depois do que ouvi durante a viagem Lisboa-Beira,  no dia que estive em Nampula e nos dois dias que passei em Vila Cabral, pensei: estou a chegar ao inferno. O avião passa ao lado do Aquartelamento, já em baixa altitude, e deu para observar que não era a Olivença que descreveram. Aterramos e, quando saí do avião, oiço: “Oh Rosa, já chegou o teu checa”. Não me apercebi, naquele momento, do significado daquela frase e só o vim a saber, depois de chegado ao aquartelamento. Afinal, eu ia render o furriel Rosa, que tinha já o tempo suficiente de “mato”, para pedir a sua transferência. Tinha pedido a transferência para Lourenço Marques, de onde era natural, para o BCaç. 18. Fiquei, então a entender, porque fui “recambiado” para Olivença.
A 3ª. CCaç. do BCaç.20 era constituída por militares moçambicanos e integrada por dois pelotões do Batalhão de Macaloge. Uma grande parte dos graduados era oriunda de Portugal e com um outro moçambicano (penso que 4 furrieis e um alferes).
(Continua...)

Publicado por gruposespeciais às 18:14
LINK DO POST | COMENTAR O POST
4 COMENTÁRIOS:
De Salvador Silva a 6 de Junho de 2011 às 18:10
Só hoje me deparei com este blog e confesso, foi com muito agrado que o li. Parabéns ao seu autor, o Álvaro Teixeira, se bem entendo.
Apesar do meu agrado, encontro nas descrições algumas coisas que não entendo bem, especialmente quando se fala em recrutamento por imposição para os GE's quando se sabe que era tropa voluntária. Mas adiante, na tropa tudo era possível. Também há uma referência a "duas dezenas de horas de comboio" entre o Catur e Vila Cabral, o que é um manifesto equívoco, era zona que conhecia bem e, era para mim, viagem frequente.
Estive, nos dois dias anteriores ao Ataque de 10 de Maio de 1974, no aquartelamento de Olivença, em visita ao GE 103 (eu era o Cmd.Regional dos GE,s no Niassa). Saí do aquartelamento uns minutos antes do ataque no avião (Hylander) do Subtil. Curiosamente estranhámos não ver um único animal selvagem na zona, era frequente vê-los em abundância e demos uma volta para melhor observação. Nada avistámos. Pouco tempo após, chegados a Macaloge, somos informados que Olivença está sob um intenso ataque com foguetes 122mm e, pior ainda, que o meu subordinado e amigo, Furriel Seca, que, com os GÉ's havia saído em perseguição do inimigo, estava desaparecido por ter caído ao rio enquanto o atravessavam. Não mais apareceu, foi um, mais um, grande choque.
Agora, à guisa de conclusão, deixo aqui algo que talvez ao meu amigo não tenha ocorrido. O ataque a Olivença, estava planeado para ser um ataque "exemplar" com consequências que impressionassem os portugueses e a opinião pública internacional. Era importante, na altura, a tomada de posições de força e espectaculares, pela Frelimo. Como nós os sobrevoámos com insistência, embora sem os ver (buscávamos caça) sentiram-se descobertos e desencadearam extemporâneamente o ataque, para sorte de Olivença e guarnição pois, para além da infelicidade com o Seca, não houve mais que estragos materiais.
Aqui fica o meu relato e o meu abraço.
Salvador Silva


De Manuel Mascarenhas a 31 de Julho de 2012 às 19:57
Amigos
Apenas a título de nota:
Fui o fundador e primeiro comandante do GE 103, também eu fui voluntário para os GE's e não tinha conhecimento de camaradas que tivessem ido obrigados.


De Anónimo a 21 de Fevereiro de 2016 às 10:29
Capitão José Verdasca dos Santos
Fui o primeiro comandante da CC 73 do então 7° Batalhão. Terminada a recruta em Boane segui (out/65) com a companhia para Olivença, tendo uma secção de engenharia de reforço para abrir/construir uma pista para DC 3 e construir o aquartelamento. Terminei a comissão em maio/66 quando regressei a Portugal
Agradeço as notícias e manterei contato.

j.verdasca@uol.com.br


De Anónimo a 15 de Maio de 2016 às 19:45
Gostaria de aqui ver - para a história da 3ª Companhia do B C 20 - explicada a origem desta, pois desde a criação da C C 73 do 7° Batalhão de Caçadores, da Guarnição Normal de Moçambique, a unidade foi SEMPRE a mesma, apenas tendo mudado o nome, ou seja, a C C 73 passou a chamar-se 3ª C C do Batalhão de Caçadores N° 20, mantendo a sede em Olivença e os mesmos efetivos; o pessoal era rendido lentamente, significando grande vantagem porquanto não havia solução de continuidade, tanto nas relações com a população nativa quanto no conhecimento do terreno e da atividade inimiga.
Fui o primeiro comandante da companhia, substituído pelo capitão Belchior em julho/agosto de 66 e outros que ignoro. Mas se o Blog tiver condições de aqui descrever a história da unidade desde a origem seria muito interessante. Eu resido em São Paulo onde não tenho condições de o fazer. Obrigado
José Verdasca dos Santos j.verdasca@uol.com.br


Comentar post

Subscreva a Newsletter do BLOG


Crear letrero en flash

Insira o endereço do seu Mail:

Delivered by FeedBurner



ARTIGOS RECENTES

ZECA CALIATE VOZ DA VERDA...

O SÉRGIO ´´SERIAL KILLER`...

A VERBORRÁICA DO REGIME D...

Biografia de Zeca Caliate...

Omar Ribeiro Thomaz fala ...

"EMBARRIGUECIMENTO DOS LI...

FRAUDES MACIÇAS NAS ELEIÇ...

Não deves nada à Frelimo,...

Metelela - Os crimes da F...

ESCLARECIMENTO

ARQUIVOS

Abril 2016

Março 2016

Outubro 2014

Agosto 2014

Maio 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Junho 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Junho 2012

Abril 2012

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

MAIS COMENTADOS

ÚLT. COMENTÁRIOS

Afinal Samora e os amigos foram traiçoeiros ,assim...
Caro amigo, se quiser partilhar a sua experiência,...
Sou um velho GE. Período 71/73.Comandei o GE 212 N...
Gostei de ouvir a messenge sobre os nossos heróis ...
EmFalta dizer que nesss fata te ofereceste para se...

tags

todas as tags

OUTROS BLOGS E MUITO MAIS




LinkLog


Siga-me no Twitter

Grupos Especiais - Moçambique

Divulga também a tua página