Sexta-feira, 25 de Março de 2016

"EMBARRIGUECIMENTO DOS LIBERTADORES"

Canal de Opinião por Noé Nhantumbo

 

As lutas independentistas e os Não-Alinhados estão sendo desmascarados a cada dia que passa.

 

O “barco está no mar alto sem porto seguro à vista”.

 

Valeu a pena ter havido gloriosas e sacrificadas lutas pela Independência nos países de todo o mundo. Nem tudo foi em vão.

 

Valeu a pena ver gente com fibra e com coragem e princípios batendo-se com honradez pela Independência.

 

Valeu a pena sonhar por um hino e por uma bandeira.

 

Mas de tudo pelo que se teve que passar, hoje existem mais do que suficientes razões para questionar procedimentos e resultados.

 

Olhar para trás e chegar à conclusão de que muito do que nos diziam era um simulacro, uma cascata de “slogans” que não se concretizaram, é desolador.

 

Uma mão-cheia de combatentes que de armas se bateu contra o colonialismo e outras formas de dominação, especialmente em África, deixa muito a desejar, se tivermos que ser honestos na avaliação.

 

O mundo jamais foi linear, e a complexidade dos assuntos muitas vezes ultrapassa a capacidade dos protagonistas enxergarem e produzirem soluções pertinentes.

 

Olhar de frente para o que nos rodeia, nos é a dado a ver, e concluir que os nossos “libertadores” acabaram por defraudar as expectativas que existiam, é constrangedor. Afinal eles queriam o poder em si, e não para alterar as relações de poder ou trazer a propalada democracia política e económica. Prometeram ao povo que libertariam a terra e os homens. Isso, em parte, aconteceu.

 

Mas a realidade de hoje desmente sem dúvida de nenhum tipo que fomos enganados e da maneira mais copiosa.

 

Aquilo que de terra era considerado sagrado foi sendo sucessivamente vendido, alienado e entregue aos mesmos que ontem colonizavam.

 

O que nos diziam que seria uma nova era de desenvolvimento acabou tornando-se numa fábrica de sonhos, numa fábrica de assalariados pobres, miseráveis vivendo na indigência. Se antes era o colono português que insultava, hoje são os chineses, angolanos e brasileiros. Uma e outra vez, portugueses retornados ou que nunca haviam cá estado insultam num regresso típico de racismo. Até nas praias, sul-africanos tutelando estâncias turísticas barram a entrada dos nativos. É a realidade sem remendos nem pinturas de “analistas de fim-de-semana”.

 

Tanta mascarada, tanta falsificação, tanto sangue derramado em nome de ideologias que hoje vemos jamais terem existido.

 

Matou-se compatriotas em nome de uma suposta revolução, catalogou-se compatriotas de “lacaios do capitalismo”, e hoje quem o fazia estabelece “joint-ventures” com multinacionais a velocidade incrível. Num oceano de secretismo, temos em Moçambique pessoas retalhando o país conforme a sua hierarquia e apetites.

 

 

Moçambique, um país portentoso, bafejado pela natureza, com rios, montanhas, mar, terra fértil e um subsolo invejado pelos seus numerosos recursos minerais atravessa um momento particularmente complicado da sua história. Após uma Independência que parecia suave, somos dados a concluir que nos foi oferecido um presente envenenado por um Governo português que queria apressadamente largar um “fardo” já incómodo.

 

Muita coisa já foi dita e escrita sobre como se alcançou a Independência em Moçambique. Mas, como Mariano Matshinha disse, o Acordo de Lusaka assinado entre a Frente de Libertação de Moçambique e o Governo português, em 1974, tinha protocolos secretos que continuam sendo secretos por algo que as partes assim acordaram.

 

Após uma guerra fratricida de 16 anos, chegou-se ao AGP de Roma, onde mais uma vez foram inscritos protocolos secretos que a generalidade dos moçambicanos continua sem conhecer.

 

Afinal a Independência e todas as batalhas pela democracia ainda não conseguiram produzir um país de todos os moçambicanos.

 

Temos um mercado grossista chamado Moçambique, em que os poderosos “partem e repartem entre si, e cada um fica com a melhor parte”.

 

É a isso que chamamos Moçambique.

 

Antes, a elite colonial desfilava nas “passerelles” e exibia o seu poder.

 

Hoje, são os filhos e herdeiros dos detentores do poder que fazem exactamente o mesmo. O que mudou? Nada.

 

Face ao recrudescimento de crises em vários países e no nosso Moçambique, esperava-se que os políticos tivessem discernimento e capacidade de olhar para as questões com aquele pragmatismo característico de protagonistas competentes. Mas, por incúria ou por interesses específicos, fica-se com a impressão de que existe uma agenda de adiamento de tudo o que possa alterar o “status”.

 

A olhos vistos, a cada dia que passa, os relatos de hostilidades e ataques repetem-se. Os únicos que devem estar “esfregando as mãos” são os que venderam as armas e quem cobrou comissão pela sua aquisição.

 

Na verdade, a situação piorou, pois antes não havia guerra pelos recursos, e hoje é isso que pontifica. Arranjam-se justificações constitucionalistas para algo que não passa de “guerra pelo gás e rubis”, guerra pelo ouro e pela madeira, guerra pelo camarão, guerra pelas turmalinas, guerra pelos diamantes, guerra pelo petróleo.

 

Para que os objectivos sejam alcançados e as agendas cumpridas, enfraquece- se e assalta-se o sistema judicial, transforma-se as forças militares e policiais em milícias de partido político, e o beligerante de ontem mantém as suas forças “residuais” num processo permitido com objectivos concretos.

 

Jogos de inteligência e geoestratégicos fora do alcance do entendimento comum continuam determinando o rumo dos acontecimentos numa situação em que mesmo os pretendem que possuem tudo sob controlo revelam-se remotamente teleguiados.

 

Agentes toupeiras ou de outra estirpe, activos ou desactivados, não trouxeram o prometido.

 

De um programa até bem pensado, que visava a colaboração Sul-Sul, o que nos trouxeram foram novos colonos que confirmam que, afinal, de pouco valeram tantos sacrifícios para o “embarriguecimento” dos nossos “libertadores”. (Noé Nhantumbo)

 

CANALMOZ – 24.03.2016

 


Publicado por gruposespeciais às 19:31
LINK DO POST | COMENTAR O POST

Subscreva a Newsletter do BLOG


Crear letrero en flash

Insira o endereço do seu Mail:

Delivered by FeedBurner



ARTIGOS RECENTES

ZECA CALIATE VOZ DA VERDA...

O SÉRGIO ´´SERIAL KILLER`...

A VERBORRÁICA DO REGIME D...

Biografia de Zeca Caliate...

Omar Ribeiro Thomaz fala ...

"EMBARRIGUECIMENTO DOS LI...

FRAUDES MACIÇAS NAS ELEIÇ...

Não deves nada à Frelimo,...

Metelela - Os crimes da F...

ESCLARECIMENTO

ARQUIVOS

Abril 2016

Março 2016

Outubro 2014

Agosto 2014

Maio 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Junho 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Junho 2012

Abril 2012

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

MAIS COMENTADOS

ÚLT. COMENTÁRIOS

Gostei de ouvir a messenge sobre os nossos heróis ...
EmFalta dizer que nesss fata te ofereceste para se...
Falta dizer que te ofereceste para os GE fui eu qu...
E bom ter um dia para comemorar aos nossos herois ...
Heroi pra mim foi quem libertou povo mocambicano.v...

tags

todas as tags

OUTROS BLOGS E MUITO MAIS




LinkLog


Siga-me no Twitter

Grupos Especiais - Moçambique

Divulga também a tua página