Terça-feira, 29 de Outubro de 2013

Escrever a história de Moçambique não é linear, mas urgente

CANAL DE OPINIÃO por Noé Nhantumbo

Tragam os “libertadores” à mesa e que se expliquem…

Alas se digladiando e o povo sucumbindo…

Algumas das causas da crise actual no País remontam dos tempos em que se combatia contra o colonialismo português.

Aquela intolerância quase sempre característica de uma liderança que não admitia concorrência ou pontos de vista contrários aos seus evidencia-se os dias de hoje.

Quando se fala de caldo entornado ou se entornando refere-se ao facto de que o diálogo supostamente destinado a produzir consensos apaziguadores e um ambiente de confiança entre as partes desavindas.

Se hoje aparece a Renamo contra a Frelimo antes a oposição era dentro da mesma Frelimo e um tratamento de choque radical foi a escolha de ala contra a outra. Assassinatos políticos caracterizaram os primórdios da independência sob a justificação de que se travava de contra-revolucionários que estavam atentando contra os interesses dos moçambicanos, foram chamados de traidores e sem direito a julgamento foram mortos.

Agora que a propalada revolução “morreu de morte morta” onde estão os revolucionários e os contra-revolucionários?

Se temos alas goesas, guebusinas, chissanista dentro da Frelimo quem põe o “guizo ao gato”?

Andaram dizendo tanto para neste momento estarmos no fundo do poço do capitalismo selvagem? Como explicar que se tenha promovido tanta intolerância que levou ao extermínio de “camaradas”?

Não se pode questionar a necessidade de obediência a critérios no processo de uma política e militar desigual e dependente de altos níveis de inteligência e secretismo operacional.

Não se pode recusar que “a revolução defende-se”. Mas onde sempre esteve tal revolução? O mecanicismo socialista ou revolucionário proposto e imposto era a tal revolução que visava criar o “homem novo”?

Tudo indica que o combate visava uma bandeira diferente mas que seus líderes estavam mais inclinados em replicar o modelo de vida das elites “revolucionárias” soviéticas e chinesas. Uma classe de funcionários do partido obedecendo as instruções e orientações de uma liderança quase não humana, infalível deveria assegurar através do trabalho demilhões de pessoas que os especiais e eleitos tivessem todos os dias caviar e champanhe.

Negar este sistema era motivo suficiente para ser detido, preso, interrogado e deportado para campos chamados de reeducação. Alguns altos representantes da “linha revolucionária” triunfante ainda manifestam pesar por não existirem mais campos de reeducação e Moçambique.

Esta é a realidade moçambicana. Uns querendo sempre se impor a maioria em nome e com base na sua participação na luta armada de libertação nacional e outros tendo que se resignar à sorte de cidadãos de segunda.

Agora que se lançou uma ofensiva contra parte daqueles que se declaravam guardiões da revolução, a “famigerada” ala de Goa muitos se admiram da desfaçatez de ex-camaradas. Mas na essência é a roda da história de um movimento político que cresceu cultivando a intolerância.

Nestes dias em que se agudizam sinais de uma tentativa de reinstalação de uma atmosfera ditatorial e de eliminação da oposição só pudemos falar de um recuo real de tudo que parecia alcançado e assegurado.

Tratar as questões por fases, primeiro inviabilizar a Renamo e depois lidar com o MDM pode ser a estratégia eleita.

Combinar a obediência a uma liderança que soube eliminar silenciosamente a oposição interna no partido e tomar contra dos instrumentos económicos e financeiros está seguido à risca.

Sejamos coerentes e encontraremos algumas verdades que não nos querem dizer. O congresso de Pemba foi crucial para obliterar a oposição no seio da Frelimo. Quando os “históricos” são relegados a peças de museu e não lhes é permitido pronunciarem--se é indicativo inequívoco de um assalto ao poder com todas as suas consequências.

Não sejamos cegos nem surdos num momento grave da história nacional.

Moçambique pode descambar para uma ditadura sanguinolenta a qualquer momento.

É da responsabilidade de todos alguma coisa fazer para travar gente com apetites devoradores.

Não se pode um dia que seja na denúncia de atitudes e procedimentos contrários a conivência democrática pois esta é a única que pode garantir a paz, estabilidade e desenvolvimento em Moçambique.

O jogo da constitucionalidade é praticado pelos que se querem perpetuar no poder.

Aí esgrimem todos os trunfos e recusam qualquer cedência.

A paridade não é nenhum diabo que vai interromper o tal apregoado desenvolvimento, pelo contrário.

O que não foi resolvido a contento aquando do AGP pode muito bem ser corrigido com frontalidade, abertura e sobretudo sem subterfúgios.

Nunca é tarde para defendermos nosso País e seu povo das garras dos abutres…

 (Noé Nhantumbo)

CANALMOZ – 29.10.2013


Publicado por gruposespeciais às 15:12
LINK DO POST | COMENTAR O POST
Segunda-feira, 3 de Dezembro de 2012

AFINAL MOÇAMBIQUE DEIXOU DE FAZER PARTE DE PORTUGAL EM 7/09/1974 (Conclusão)

Para quem leu atentamente este Acordo, poderá chegar às seguintes conclusões:

 

1 – Portugal deu cobertura e o apoio logístico para as maiores barbaridades cometidas pela Frelimo, para conquistar um poder que não tinha implantação no terreno nem nas cidades do País;

2 – A perseguição encetada pela Frelimo aos seus opositores foi apoiada pelo MFA, que, por sua vez prendeu militares portugueses que, sem qualquer culpa, se viram envolvidos em lutas entre fações rivais da sociedade moçambicana (Ex. Capitão Luís Fernandes);

3 – Os aviões das FAP serviram para o transporte para os famigerados  “Campos de Reeducação” de todo o tipo de pessoas que não serviriam para os seus interesses;

4 – Os militares portugueses colaboraram na prisão de patriotas moçambicanos que, embora lutassem politicamente pela independência de Moçambique, não se reviam no projeto da Frelimo;

 

 

5 – À Frelimo foi concedido todo o poder para aprisionar os seus opositores políticos e transportá-los para Nashingwea (Tanzânia), onde foram julgados sem qualquer hipótese de defesa em simulacros de tribunais, obrigados a confessarem crimes que nunca cometeram e queimados vivos em valas comuns, depois de terem passado os tratamentos mais atrozes no Campo de Concentração de Metelela (Niassa);

 

 


Publicado por gruposespeciais às 20:43
LINK DO POST | COMENTAR O POST
Quinta-feira, 20 de Agosto de 2009

FRELIMO – Um Paraíso de Ditadores

 

 

 
As seguintes declarações devem ter um lugar de destaque na história recente de Moçambique e foram proferidas por um dos mais altos responsáveis de Frelimo, em Cabo Delgado, em 03/08/2009, pelo Alberto Chipande, glorificado pela Frelimo como tendo sido o autor do primeiro disparo, no início da chamada “Guerra de Libertação”:
O actor principal desta peça foi o General Alberto Joaquim Chipande, que pela sua estatura na nossa sociedade, dispensa qualquer apresentação. Para tornar curta uma longa história, o que o General Chipande disse naquele encontro foi, essencialmente, que neste país a Frelimo faz o que lhe apetece, e o resto que se dane! Que os dirigentes da Frelimo têm o direito natural de enriquecerem, não importam os meios, porque lutaram para libertar o país do colonialismo.
Que são anti-patriotas os que criticam a corrupção e o uso restrito e indevido dos recursos nacionais por uma pequena elite ligada à Frelimo.
 "General" Alberto Chipande
Vamos, então, analisar estas declarações:
1 – Estas afirmações são gravíssimas e devem merecer uma análise profunda por parte das Organizações Internacionais e dos Países Doadores;
2 – Estas afirmações só confirmam a inexistência de Democracia, em Moçambique, e muito menos, de Liberdade;
3 – Há aqui uma situação gravíssima que põe em causa a Luta de Libertação encetada pela Frelimo, ou seja a Frelimo não lutou pela liberdade, mas para se substituir ao poder anterior (o colonialismo português);
4 – A Frelimo acha-se dona do País e nunca irá permitir que os moçambicanos, pelo voto popular, a substituam no Poder. Esta farsa tem um grande exemplo no país vizinho, o Zimbabué, quando o ditador Mugabe afirmou que o país era dele;
5 – A Frelimo lutou para se apoderar das riquezas geradas pelos portugueses, em favor da economia moçambicana e acabou por destruir toda a economia, condenando o seu povo à miséria, enquanto os seus dirigentes foram enriquecendo com o espólio da guerra;
6 – É neste contexto que se enquadram os milhares de assassinatos perpetrados pela Frelimo, logo após a Revolução em Portugal de 25/04/1974;
7 – Esta “maralha” tem que ser afastada do poder quanto antes, porque tudo não passa de uma grande fantochada organizada por aqueles a quem a grande maioria da população moçambicana chamava “bandidos” e o seu comportamento não mudou em nada;
8 – Moçambique, com a Frelimo a governar, não tem futuro. Isso está provado, mas não tardará o dia em que o povo se revoltará contra este estado de coisas e irá impor a sua vontade;
 
Os autores da desgraça de Moçambique
Agora compreendo a razão pela qual a Frelimo instiga, no ensino oficial, ao ódio racial contra os portugueses!
Dizia-me há dias um amigo moçambicano que o País está atrasado mais de 100 anos relativamente ao mundo ocidental. Achei um exagero, mas, agora, acredito.
 
NOTA: Este Post irá ser enviado para todas as Organizações Internacionais para que tenham conhecimento do apoio que estão a dar a "criminosos de guerra".
 
20 de Agosto de 2009
Álvaro Teixeira (GE)

 


Publicado por gruposespeciais às 16:50
LINK DO POST | COMENTAR O POST | VER COMENTÁRIOS (3)


ver perfil

. 2 seguidores

Subscreva a Newsletter do BLOG


Crear letrero en flash

Insira o endereço do seu Mail:

Delivered by FeedBurner



ARTIGOS RECENTES

Escrever a história de Mo...

AFINAL MOÇAMBIQUE DEIXOU ...

FRELIMO – Um Paraíso de D...

ARQUIVOS

Abril 2016

Março 2016

Outubro 2014

Agosto 2014

Maio 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Junho 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Junho 2012

Abril 2012

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

MAIS COMENTADOS

ÚLT. COMENTÁRIOS

Afinal Samora e os amigos foram traiçoeiros ,assim...
Caro amigo, se quiser partilhar a sua experiência,...
Sou um velho GE. Período 71/73.Comandei o GE 212 N...
Gostei de ouvir a messenge sobre os nossos heróis ...
EmFalta dizer que nesss fata te ofereceste para se...

tags

todas as tags

OUTROS BLOGS E MUITO MAIS




LinkLog


Siga-me no Twitter

Grupos Especiais - Moçambique

Divulga também a tua página