Segunda-feira, 4 de Junho de 2012

O Wiriamu da Frelimo (Zeca Caliate) - 2

MASSACRE DE WIRIAMU E LUCAMBA

 

Quando em 1973 comandava o 4º Sector, determinei a criação do 8º
destacamento e nomeei Raimundo Dalepa como comandante daquela base situada à
beira do rio Luenha e próximo da aldeia do Wiriamu, os guerrilheiros iniciaram
ações de emboscadas e minas ao longo da estrada internacional, que ligava Tete
a Changara e Rodésia do sul.

Na aldeia de Wiriamu, havia um núcleo de apoiantes da FRELIMO
que forneciam alimentos e informações aos guerrilheiros, o que viria a provocar
ira por parte do exército português que para ali enviou tropas que se vingaram
da morte de camaradas que ali tinham sido mortos numa emboscada.

A FRELIMO e seus apoiantes, especialmente organizações religiosas
chamados de padres de Burgos, espalharam a noticia para todo o mundo, quando em
Julho do mesmo ano deixo a FRELIMO, cruzavam-se informações nos jornais, rádios
e praças de Londres, Roma e outras capitais das grandes cidades europeias e
também nas Nações Unidas, só se falava do massacre de Wiriamu condenando assim
Portugal na perpetração de tal massacre aos civis do Wiriamu. Foi na realidade
um massacre evitável pois embora houvesse apoiantes e informadores da Frelimo,
a maioria da população era inocente. 

Passaram alguns meses do massacre de Wiriamu, seguiu-se outro
massacre com a mesma dimensão este no inicio de 1974, mas desta vez não foi
perpetrado pelo exército português, mas sim pela FRELIMO, no aldeamento de
Lucamba a poucos quilómetros de Wiriamu. Não sei porque é que a FRELIMO teve
tal ação. Vingança?!

Curioso é que a FRELIMO com o António Hama Tai a comandar o
sector, concentrou o armamento, desde canhões B10 sem recuo, morteiros 82 e 60 mm, PRG Bazucas, varias
metralhadoras pesadas de grandes e pequenos calibres, armas automáticas e
semi-automáticas entre o mais variado material bélico. Com um grande efectivo
de combatentes, cercaram aquele aldeamento de Lucamba habitado por centenas de
populações indefesas, onde apenas existia um posto de meia dúzia de OPVDC
(Organização Provincial de voluntários e defesa civil) a 300 metros, estando os
mesmos mal armados, somente com uma G3 do comandante e os restantes elementos
com Mauseres.

Logo com o 1º tiro de canhão os OPVDC puseram-se em fuga para o
meio do mato. A FRELIMO apoderou-se do aldeamento e chacinou toda a gente,
inclusive velhos, velhas e crianças, sendo eles assassinados com armas de fogo com
baionetas e à catanada. Foi outro Wiriamu de sinal contrário.

No dia seguinte podiam ver-se corpos espalhados em todos os
lados, quanto a isto não foi ninguém que me contou eu pessoalmente estive
naquele local, porque quando abandonei a FRELIMO, estive ligado à ação
psicológica em Tete e fui convidado para ir verificar o que se tinha passado na
noite anterior, fiquei perplexo e sem palavras para descrever aquela
barbaridade. Até hoje aguardo que alguém dos defensores dos direitos humanos ou
de alguma associação religiosa, condene aquele ato que até hoje parece
permanecer esquecido da memória dessas mesmas associações e congregações
religiosas. Eram tão Moçambicanos uns como os outros, as organizações e
governos internacionais não falaram também de Lucamba, porquê? Dois pesos duas
medidas.

Pergunto-me agora eu, qual é a diferença entre os dois povos,
nomeadamente o povo de Wiriamu e o povo de Lucamba, ambos massacrados, do qual
o povo de Wiriamu mereceu especial atenção, difusão de informação e comentários
vindos de todos os lados bem como o apoio de toda a comunidade internacional e
do qual Lucamba foi esquecido e negado apoio, aliás dai em diante o meu
sucessor António Hama Tai intensificou assaltos aos civis que se atreviam a
circular nas estradas principais de Tete bem como aos cantineiros que
posteriormente eram assassinados. Não podemos esquecer a revolta da população
branca da Beira em Janeiro de 1974 contra o exército Português, devido ao
assassínio de uma fazendeira. Contra quem deveria ser a revolta? Naturalmente
não sabiam, mas haveria um culpado ou culpados. Tirem conclusões.

Faço a pergunta: DOIS POVOS, UM DE DEUS (Wiriamu) E OUTRO DO
DIABO (Lucamba).

 

04 de Junho de 2012

 

Alvaro Teixeira (GE) 

 

 

 

 


Publicado por gruposespeciais às 16:32
LINK DO POST | COMENTAR O POST | VER COMENTÁRIOS (6)

Subscreva a Newsletter do BLOG


Crear letrero en flash

Insira o endereço do seu Mail:

Delivered by FeedBurner



ARTIGOS RECENTES

O Wiriamu da Frelimo (Ze...

ARQUIVOS

Abril 2016

Março 2016

Outubro 2014

Agosto 2014

Maio 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Junho 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Junho 2012

Abril 2012

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

MAIS COMENTADOS

ÚLT. COMENTÁRIOS

Caro amigo, se quiser partilhar a sua experiência,...
Sou um velho GE. Período 71/73.Comandei o GE 212 N...
Gostei de ouvir a messenge sobre os nossos heróis ...
EmFalta dizer que nesss fata te ofereceste para se...
Falta dizer que te ofereceste para os GE fui eu qu...

tags

todas as tags

OUTROS BLOGS E MUITO MAIS




LinkLog


Siga-me no Twitter

Grupos Especiais - Moçambique

Divulga também a tua página